terça-feira, 28 de outubro de 2008

Meu primeiro amor


De novo sonhei com ela,
com seu sorriso estampado no rosto.
Como sempre, tão bela.
Senti de novo, a ilusão daquele gosto.

Sentir suas mãos nas minhas,
seus lábios nos meus.
Meu vedadeiro amor, que ainda não tive.
A primeira súplica que fiz à Deus,
e ele resolveu não dar.

Por que não nos amamos ainda?
Não compreendo.
Por que não me livro dessa dor?
Teimosia de querer amar?!
Esse amor tão improvável, ao qual eu me prendo,
e preso, adoro estar

È aquela mesma garota
que admiro todos os dias, como antes fazia.
Ganhou o meu amor, até a última gota,
Que deu à minha vida, um ar de poesia.

Pois amá-la tanto me faz bem,
Só ela tem a beleza que me toca
E ela é bela como ninguém.
Não é obsessão, nem paixão que sufoca

Só pode ser amor,
Depois de tantos anos sem vê-la
E quando vejo ainda sinto o mesmo calor
E ela brilha, chama a minha atenção, como uma estrela

O meu primeiro amor, o meu primeiro amor.

Maurício Tovar Junior

Um comentário:

The Bon's disse...

puta merda mano, esse fico perfeito eim!
parabens!