terça-feira, 28 de outubro de 2008

RE volta


Isso? Isso é revolta
É a fúria que sinto pelo tempo perdido
Tempo que perdi ajoelhado, esse, nunca mais volta
Ridículo, estúpido e bondoso

Assim eu era, agora não mais
Bondoso sim, mas sensato tão quanto
Dispenso sua bênção, dispenso sua reza
Cale-se um pouco, antes que eu me torne violento

Não aguento mais, como pude ser tão fraco?
Aceitei tudo que me disseste, e tú nunca respondera minhas perguntas

Cale-se, cale-se ou acabo agora com a farsa que chamas de vida
Maldito sejas tú, tua cruz e tuas palavras
Sois vós quem arderá em lavas

Agora queime, e com tú, tua mentira que percorrera milênios
Nunca alcançarás o pai, nunca serás luz
Teu templo é sujo como o lixo, tua batina é tão negra quanto a tua alma

Agora te cale, e não me peça para ter calma
Pobre de tú, tenho pena, muita pena
Como pode caber em alguém, tal fraqueza e tal alma pequena?!

Resaste tanto durante tua vida, tú e os seguidores teus
É lamentável que foste tão cego,
Que te afastaste tanto do real significado de Deus
E deixaste dominar tanto pelo teu podre ego

Saber ainda que pensaste se aproximar do pai,
Essa é a cruz que eu carrego.



Maurício Tovar Junior

Nenhum comentário: