segunda-feira, 10 de maio de 2010

Aceito você na minha vida




Você, que sempre foi o meu porto seguro
Que sempre foi uma fuga, uma saída
Era a única luz que se via brilhar do meu lado mais escuro,
Já tomou parte da minha vida

Esperança, assim, da tua cor
É o que me resta sentir
Pois agora, daquele amor,
Já não preciso mais fugir

Me serve, me guia, me estende uma mão amiga
Me faz rir, me tranqüiliza
E o teu sopro nublado é o que abriga
O suave embalo da brisa

Sempre vistosa, eternamente na moda
Findou a era do pranto, a vida bucólica
Conquistou a todos que estavam na roda,
Como o prazer de uma sobriedade alcoólica

Viva a paz, viva o amor
E que o filme que está em cartaz
não me traga mais nenhuma dor.


Maurício Tovar Junior

2 comentários:

simplesmente curando disse...

meu querido,mais um poema que faz aflorar a sua sensibilidade...Lindo!!!
muitos beijinhosssssssssssss!!!!

Zen disse...

Fico feliz q tenha voltado a escrever, seus poemas são de grande inspiração e de conteúdo reflexivo. Sim creio q temos uma "sacação" que compartilhamos que foi quando tiramos um pouco o pé da caverna de platão. Não sei o que te levou a sair dela, mas sei que saiu e deu uma voltinha lá fora,pois seus escritos não são de uma persona que se identifica com o externo.

Abraço !