sábado, 24 de julho de 2010

Escolhas


Que valor tem ouro,
Se não tiveres amor na vida?
Por que ter uma vida sofrida,
lutar e morrer como um touro?

O amor.

O único e solitário sentido,
Que mantém o homem sóbrio, feliz
Solidário e unido.

Eu, sim, abro mão
de toda a farsa já vivida,
de toda a crença, toda a imaginação
de um mundo legal, de paz eterna na vida

Pra ver um pouco do real,
do que realmente pesa no coração,
da dor, da "causa mor", da ilusão
de ser feliz num mundo anormal.

Pseudo-bondade, pseudo verdade...

Pseudo-coração, sacrifício estúpido!
Completa enganação.

Cada galho que cai, cada folha
não cai sempre porque "Deus quer",
crer ,ou não, na existência da colher
é apenas uma questão de escolha.

Sei porque sinto,
a mesma frustração,
pois quando me pergunto, minto!
Já não mando mais no meu próprio coração!



Maurício Tovar Junior

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Sossego



Eu lembro que tinha
ao lado da minha alma
Uma grama verdinha,
um céu limpo e uma brisa calma

Eu lembro que eu via,
no cruzar das estrelas
mil laços de poesia,
que um dia sonhei em tê-las

Um lago lindo,
onde eu costumava me banhar,
um jardim florido
onde eu costumava me deitar

Eu lembro que tinha
um pedacinho de história,
em que à noite eu vinha
te resgatar na memória

Lembranças de contemplação
do meu infinito apego
por toda a satisfação,
pelo eterno sossego.

Eu vejo hoje, o que sempre via.
Beleza, longe dos valores vis,
e a sua companhia...
Tudo que eu sempre quis.



Maurício Tovar Junior

sábado, 3 de julho de 2010

Poesia


À poesia não se dá conceito,
não se determina como é feita,
é uma obra que sai do peito,
e não um passo-a-passo de receita

É beleza pura,
verbaliza sentimento,
uma paixão, uma loucura
uma tristeza ou sofrimento.

Poesia é arte,
é mais que ciência,
é o registro de uma parte
de uma mágica experiência

A poesia está em mim
e eu estou sempre nela
do começo ao fim,
não troco rima minha por bagatela

À poesia, toda a gratidão,
Pela arte e pelo amor,
e até ao dissabor,
por toda a inspiração.



Maurício Tovar Junior

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Foi Maior


E agora, o que posso fazer?
Sem o controle da situação,
sem o domínio desse coração,
que logo irá me entristecer?

Sem o direito
de interferir na tua vontade
Mas com o respeito
De uma estranha lealdade.

Eu te dei amor demais,
te levei à beira do mar
pra ver a lua do cais.
E nos meus braços, te vi chorar.

Chorar de emoção,
no nosso íntimo amor.
Toquei no fundo do seu coração,
e te tratei como uma flor.

Sem ter a tua mão
pra segurar com orgulho,
Bate no peito a ilusão
desse incerto mergulho.

Só me perdi na dúvida,
Se foi ou não real,
essa paixão tão lúcida,
Prazer maior...sentimental

Fui enganado pela minha lucidez,
só agora eu trasnponho.
Foi lindo! Era uma vez...
apenas um sonho.


Maurício Tovar Junior