terça-feira, 6 de agosto de 2013

Mulher



Não quero correntes
Não preciso do orgulho
de corações carentes
nem de muito barulho

Não quero forjar aparência
Não preciso de aprovação
pra mostrar decência
se teus olhos atônitos te convencem que é em vão.

Não quero ser pra você, o melhor
Nem preciso de mais meios
pra fazer do seu suor
uma nascente entre seus seios

Não quero, não preciso...
Porém venero um bom sorriso

Sou carne viva e pulsante
Pistola engatilhada,
Que dispara na madrugada
E onde há espaço pra um amante.

Sou coração errante
Até que um dia Ela não erre
Sou semente infante
Até que um dia Ela me enterre

Sou charada
Mistérios que eu mesmo desconheço
Mas comigo serás Respeitada
Com o mais profundo apreço


Maurício Tovar Junior



Nenhum comentário: