sábado, 28 de setembro de 2013

Tabaco


No covil dos trêmulos anseios
cativa o vício e aceitação
porque já não há outros meios
pra frear a pulsação.

Ele é o dono das vitrines lícitas
Com falso charme
Mais veloz que o tempo, consome a carne
devora os sentidos, como se já não fosse implícito

Ah, mas pra qualquer dia amargo
é fiel e lúcido "amigo",
Cada espasmo se vai num trago
e a cada trago, um minuto perdido

Maldito e pegajoso patrão
que sequer ordena
pois se auto-condena
quem assume essa função.







Nenhum comentário: